Agência Minas Gerais | Estudantes-atletas de todo o estado superam limites e buscam novas conquistas nos Jogos Escolares de Minas Gerais 2024

Para alcançar o desenvolvimento integral, abrangendo aspectos físicos, sociais, emocionais e éticos, estudantes-atletas do estado estão empenhados em uma das maiores competições esportivas escolares do país, os Jogos Escolares de Minas Gerais (Jemg/2024).

Promovida pelo Governo de Minas, por meio das Secretarias de Estado de Educação (SEE/MG) e Desenvolvimento Social (Sedese) e da Federação de Esportes Estudantis de Minas Gerais (Feemg), a competição iniciou suas atividades na segunda-feira (15/7), em Governador Valadares, no Vale do Rio Doce.

A cerimônia de abertura dos Jogos, realizada na noite dessa terça-feira (16/7) na Praça de Esportes da cidade, transformou o local em um palco de determinação e superação. Sob os aplausos das autoridades locais e da comunidade escolar, delegações desfilaram, destacando não apenas a competição, mas os valores e crescimento dos estudantes.

“Além do desenvolvimento da parte física e de formação de futuros atletas proporcionada pelo esporte, o Jemg também está ligado à formação e à vivência. Ressalto ainda a contribuição do esporte para diminuição da evasão e garantia de acesso e permanência do estudante ao ambiente escolar”, pontua a diretora de Educação Infantil e Ensino Fundamental da SEE/MG, Danielle Chaves.

Durante a cerimônia, o superintendente de Programas Esportivos da Subsecretaria de Estado de Esportes da Sedese, Frederico Pessoa, desejou sucesso aos competidores. “Ressalto a importância da articulação entre todos os órgãos envolvidos na organização desse grande evento. Todos vocês já são vencedores em ter chegado até aqui. Desejamos boa sorte e um futuro brilhante”, ressaltou.

Nesta fase, competem aproximadamente 3,8 mil jovens nas modalidades individuais e paraolímpicas. Estão incluídas disputas de oito modalidades paralímpicas — atletismo, bocha, futebol de 7PC, goalball, judô, natação, parabadminton e tênis de mesa —, e  três olímpicas — atletismo, judô e natação.

A edição deste ano quebrou recordes de inscrições, refletindo a importância do Jemg na promoção e valorização do esporte escolar. As competições vão até o próximo domingo (21/7). Confira o cronograma completo neste link.

Inspiração

O poder transformador do esporte se faz presente em cada história que emerge dos Jogos. Iago Lucas Teixeira, estudante da Escola Estadual Bolivar Tinoco Mineiro, em Belo Horizonte, encontrou na bocha não apenas um esporte, mas uma nova forma de viver.

“Conhecemos a bocha há cinco anos, quando um professor mostrou que ele podia jogar. Já viajamos antes, para Uberlândia, para participar do Jemg e ficamos em segundo lugar”, compartilhou emocionada Elizângela Alves, mãe de Iago. “Eu amo o esporte”, acrescentou Iago, ao lado da mãe.

Para Iasmin Gabriele Teixeira, da Escola Estadual Nossa Senhora de Guadalupe, em Lagoa da Prata, na região Central de Minas, o atletismo é uma bússola para sua vida.

“Comecei a treinar há três anos por conta de crises de ansiedade, e a psicóloga me indicou o esporte. O esporte é vida. Eu não sei o que seria de mim sem o atletismo”, afirmou. Na edição de 2023, a estudante-atleta conquistou medalha de ouro nas provas de salto triplo e 100 metros com barreiras.

Abel Mendes dos Santos, técnico do atletismo, reafirma como o Jemg pode transformar vidas. “É gratificante ver como o Jemg tem impactado positivamente os atletas. Alguns seguem carreira esportiva, outros descobrem novos caminhos, mas todos são inspirados pelo poder do esporte”, refletiu Abel, que já revelou talentos como a atleta olímpica Núbia Soares, ex-estudante da Escola Estadual Chico Rezende, também em Lagoa da Prata.

Celebração da diversidade

A etapa paralímpica dos Jogos Escolares de Minas Gerais tem participação de 460 estudantes-atletas. Modalidades como atletismo, bocha e natação não apenas promovem a competição, mas também a inclusão, adaptando-se às habilidades de cada participante.

“Meu professor de educação física percebeu que eu não tinha muita liberdade na aula e me incentivou a me movimentar. Hoje, graças a esse estímulo, eu perdi a vergonha da cadeira de rodas e sonho em competir em uma Paralimpíada”, relata Kássia de Souza, estudante-atleta da Escola Estadual Gustavo Capanema, em Pitangui, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

Mascote do Jemg

Pela primeira vez em 22 anos, os Jogos Escolares de Minas Gerais contam com um mascote oficial. O Golden Retriever, criado pela estudante Júlia Dias Machado, da Escola Estadual Doutor Adiron Gonçalves Boaventura, em Rio Paranaíba, foi selecionado em votação popular.

Durante a cerimônia de abertura da etapa estadual, foram apresentadas três opções de nomes para o mascote: Jemguito, Mineirim e Théo. A comunidade escolar está convidada a participar e escolher o nome que melhor represente os Jogos neste link. O nome vencedor será revelado no início da próxima fase, em agosto.

Próximos passos

O Jemg não é apenas uma competição, mas uma plataforma para o futuro. A próxima etapa, de 5 a 11/8, dará continuidade às disputas com as modalidades olímpicas, definindo os representantes de Minas Gerais para os Jogos Escolares Brasileiros e outras competições nacionais.

“Nos corações dos competidores e espectadores, os Jogos Escolares de Minas Gerais não são apenas uma competição, mas uma jornada de superação, inclusão e inspiração, onde cada estudante-atleta escreve sua própria história de triunfo e orgulho”, acrescenta Danielle Chaves.

Os Jogos Escolares de Minas Gerais continuam a crescer. O Governo de Minas investiu cerca de R$ 19 milhões na edição de 2024, que registrou um número recorde de participantes, de 842 municípios mineiros.

Nominando assume prefeitura de João Pessoa nesta quarta-feira

A confirmação do início da operação foi do conselheiro Nominando Diniz. (Foto: Divulgação / TCE-PB)

O presidente do Tribunal de Contas da Paraíba, conselheiro Nominando Diniz, vai tomar posse como prefeito de João Pessoa, nesta quarta-feira (17). A transmissão do cargo será realizada no gabinete do prefeito Cícero Lucena (PP), no Centro Administrativo Municipal, às 17h.

Nominando vai ficar no comando da capital por cerca de 10 dias, período em que Cícero vai à França assinar convênio com a Agência Francesa de Desenvolvimento no valor de 55,4 milhões de euros para investimentos na área de mobilidade urbana.

Na semana passada, na Sabatina Jornal da Paraíba CBN, Cícero antecipou que o recurso será utilizado para ações de mobilidade urbana. Serão construídos quatro corredores de transporte, com terminal rodoferroviário, ligando os trens aos ônibus.

Para Nominando assumir, mudanças na Constituição do Estado e na Lei Orgânica do Município tiveram que ser feitas pelos legisladores.

A inclusão do presidente do TCE na linha sucessória foi preciso para evitar que o vice-prefeito Léo Bezerra e o presidente da Câmara Municipal Dinho Dowley não ficassem inelegíveis para as eleições deste ano.

No período da ausência de Cícero, Léo Bezerra deve cumprir agenda em Brasília. Já Dinho, viaja com Cícero para testemunhar a assinatura do contrato.

Já no TCE, quem assume é o vice-presidente, conselheiro Fábio Nogueira.

Lei Eleitoral

Em virtude da legislação eleitoral, toda comunicação institucional no âmbito dos municípios deve ser encerrada no prazo de três meses anteriores ao pleito.

A divulgação de notícias em portais institucionais também é afetada pelas regras das eleições.

Deste modo, em cumprimento ao calendário eleitoral, estamos suspendendo as publicações neste espaço.

Agradecendo a todos a compreensão.

Investimentos no estado de São Paulo somam R$ 102 bilhões





Pesquisa da Fundação Seade mostra melhor resultado de janeiro a junho dos últimos cinco anos; infraestrutura e indústria lideram aportes



Dados mais recentes da Pesquisa de Investimentos Anunciados no Estado de São Paulo (Piesp), realizada pela Fundação Seade, apontam o período entre janeiro e junho de 2024 como o melhor primeiro semestre dos últimos cinco anos no que se refere ao interesse de empresas privadas e públicas em realizar negócios no estado. Os aportes anunciados em território paulista somaram R$ 102,43 bilhões nos últimos seis meses.

“Os números da pesquisa reforçam o nosso compromisso com o desenvolvimento de São Paulo. Desde o início da gestão, temos adotado medidas para melhorar o ambiente de negócios, gerar oportunidades e atrair novos investimentos. Estamos transformando a realidade econômica do estado e colocando São Paulo na direção certa”, afirmou o governador Tarcísio de Freitas.

LEIA TAMBÉM: Veja as 50 cidades de SP campeãs de vagas de emprego com carteira assinada em maio

Até então, o melhor resultado havia sido registrado em 2019, antes do início da pandemia de Covid-19, com um total de R$ 68,02 bilhões. No primeiro semestre do ano passado, o montante de investimentos foi de R$ 49,44 bilhões, marcando um crescimento de 107% em relação a 2024.

Os setores que puxaram o índice foram os de infraestrutura, com 56,8% de investimentos, e indústria, responsável por 25,9% dos negócios. Os subsetores mais aquecidos são transporte terrestre (35,4% dos aportes), automotivo (22,1%), atividades auxiliares dos transportes (9,7%), eletricidade e gás (8,3%) e varejo (8%). A região metropolitana de São Paulo concentra 40,4% do montante aplicado no estado nos primeiros seis meses de 2024.

LEIA TAMBÉM: PIB paulista cresce 3% em 2024 puxado pela indústria

RESULTADO DO SORTEIO MAIS MILIONÁRIA 164 DE HOJE QUARTA (17/07)

Hoje, os entusiastas das Loterias da Caixa aguardam ansiosos pelos resultados de emocionantes sorteios.

A Loteria Mais Milionária, lançada em 2022 pela Caixa Econômica Federal, ganhou destaque como a “loteria das loterias,” oferecendo prêmios superiores até mesmo à Mega Sena. Com valores girando em torno de R$ 10 milhões, essa loteria intrigante apresenta um formato único.

Para apostar, os jogadores preenchem um bilhete com 50 dezenas e 6 trevos. Ao marcar 6 dezenas na parte superior e 2 trevos na inferior, o procedimento assemelha-se à Dupla Sena, tornando-se um desafio devido à multiplicação das probabilidades.

O custo para a aposta simples, com 6 dezenas e 2 trevos, é de R$ 6. Contudo, opções de apostas múltiplas estão disponíveis, permitindo até 12 dezenas e 6 trevos. Os valores variam, desde R$ 42 para 7 dezenas e 2 trevos, até R$ 5.544 para 12 dezenas e 2 trevos.

A flexibilidade se estende aos trevos, oferecendo opções de apostas com 3, 4, 5 ou 6 trevos, com valores proporcionais. A Loteria Mais Milionária se destaca não apenas pelos prêmios atraentes, mas também pela diversidade de escolhas estratégicas que os apostadores podem explorar.

COnfira aqui o resultado das demais loterias

SORTEIO DA MAIS MILIONÁRIA 164

Em breve

ÚLTIMO SORTEIO

Resultado do sorteio de hoje em video

Canal da Caixa https://youtube.com/@canalcaixa?si=eTngt9wQZ_H2u4c3

 

Página de Resultados das Loterias da Caixa

Horários de Sorteio das Loterias da Caixa Econômica

As Loterias da Caixa Econômica Federal são fonte de expectativa e sonhos para milhões de brasileiros, e o momento crucial para muitos é o sorteio. Dentre elas, a Mega Sena é a mais popular, com sorteios realizados sempre às 20h, horário de Brasília. No entanto, este não é um evento isolado, pois outras loterias também têm seus dias e horários específicos.

A tabela abaixo apresenta de forma clara os dias da semana e os horários de sorteio de diversas loterias:

Horários de Sorteio das Loterias da Caixa Econômica

Loteria SEG TER QUA QUI SEX SÁB DOM
Mega Sena 20h 20h
Dupla Sena 20h 20h
Quina 20h 20h 20h 20h 20h 20h 20h
Lotomania 20h 20h
Lotofácil 20h 20h 20h
Loteca/Lotogol 12h
Loteria Federal 19h 19h
Timemania 20h 20h 20h
Dia de Sorte 20h 20h 20h

 

É importante ressaltar que todos os horários mencionados estão no fuso horário de Brasília. Para aqueles que buscam a sorte nas loterias, este guia serve como referência para estar atento aos dias específicos de cada sorteio.

Que a fortuna sorria para aqueles que ousam sonhar e participar desses emocionantes eventos de sorte!

pesquisadora é indicada para comitê de organização ligada à OMS

A pesquisadora do Butantan Luciana Leite foi nomeada para integrar o Comitê Consultivo Científico do Cepi / Foto: Renato Rodrigues/Comunicação Butantan

Foi por volta dos 20 anos que a pesquisadora científica do Laboratório de Desenvolvimento de Vacinas do Butantan Luciana Cerqueira Leite desenvolveu uma paixão que moldaria os rumos da sua vida dali em diante. Curiosa, ela estudava para o vestibular quando se deparou, pela primeira vez com a imagem de uma molécula de DNA ao folhear as páginas de um livro sobre vírus da coleção de seu pai. O impacto daquela hélice dupla espiralada, que guardava informações tão valiosas em seu interior, foi tão grande que a fez enveredar pelo caminho da química, iniciando assim uma jornada de descobertas no universo da biologia molecular.

Formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), doutora pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutora pelo Instituto Pasteur, na França, Luciana é hoje referência no assunto. Ao longo de sua trajetória profissional, tem empenhado esforços no desenvolvimento de projetos importantes para a saúde pública, como uma vacina de BCG recombinante – uma possível alternativa mais efetiva no combate à tuberculose – e o da Onco rBCG – terapia utilizada no tratamento de câncer de bexiga. Há pouco, recebeu mais um importante reconhecimento: foi nomeada para o Comitê Consultivo Científico da Coalizão para Promoção de Inovações em prol da Preparação para Epidemias (Cepi, na sigla em inglês).

LEIA TAMBÉM: Esqueci da vacina da gripe: posso tomar ainda? Butantan responde

Lançada durante o Fórum Econômico Mundial de 2017, a iniciativa global tem como objetivo acelerar o desenvolvimento de vacinas e outras medidas biológicas para a contenção de possíveis epidemias e pandemias, tornando tais soluções acessíveis a todos. “Sabia que seria algo disputado, pois se trata de uma entidade bastante valorizada, que tem definido as políticas públicas de saúde. Mas quem não tenta, definitivamente, não ganha”, diz a pesquisadora que, em um primeiro momento, não acreditou ter sido aceita. “Comecei a ler o e-mail e achei que era apenas um agradecimento pela minha tentativa. Só lá pelo final da mensagem vieram as congratulações e caiu a ficha de que havia conseguido”, diverte-se.

Como integrante do Comitê Científico, Luciana deverá oferecer suporte à Cepi, contribuindo para a definição de estratégias que facilitem o desenvolvimento dos projetos prioritários da organização, que inclui medidas de combate à chikungunya, ao Ebola e à Covid-19. Além da brasileira, outros 26 especialistas de diferentes partes do globo completam o quadro consultivo da entidade – entre eles, o vacinologista Rino Rappuoli, considerado por Luciana um de seus mentores.

Fazer vacina “de trás pra frente”

Luciana lembra exatamente do dia em que Rino esteve no Butantan para proferir uma palestra sobre o desenvolvimento de vacinas utilizando ferramentas da biologia molecular. Considerado um dos pais da chamada “vacinologia reversa”, o professor italiano ajudou na consolidação do método que foca na descrição genômica de um microrganismo, e depois na procura por “partes” desse genoma que interajam da melhor maneira possível com o sistema imunológico.

“Em sua apresentação, ele mostrou os dados de uma vacina recombinante que havia desenvolvido. Fiquei encantada com aquilo e tive a certeza de que era exatamente o que queria fazer”, completa. Naquela época, meados dos anos 1990, Luciana estava no Butantan há quase dez anos e, por mais que conduzisse estudos na área de biotecnologia, ainda se sentia distante da amada biologia molecular.

LEIA TAMBÉM: Em busca de novas terapias, Butantan propõe estimular células de câncer

Um pouco perdida, mas definitivamente bastante decidida em seguir os novos caminhos que lhe foram apresentados, Luciana voltou-se mais uma vez aos livros. “Consegui uma edição do New Generation Vaccines e li inteirinho. É um calhamaço.” Logo na sequência, a pesquisadora também teve contato com os primeiros dados de uma versão recombinante da vacina BCG – uma novíssima linha de pesquisa na qual decidiu apostar.

Luciana Leite ao lado das colegas do Laboratório de Desenvolvimento de Vacinas do Butantan / Foto: Renato Rodrigues/Comunicação Butantan

Desde 1921, o imunizante capaz de proteger contra a tuberculose é feito com bacilos atenuados da Mycobacterium bovis, a bactéria da tuberculose bovina. A descoberta foi resultado de mais de uma década de estudos encabeçados pelos franceses Albert Calmette (1863-1933) e Camille Guèrrin (1872-1961) – o nome BCG vem das iniciais de Bacilo Calmette-Guérrin –, que trabalhavam no Instituto Pasteur da França.

Cerca de 70 anos após essa importante inovação, a pesquisadora brasileira ingressaria na mesma instituição a fim de pesquisar o desenvolvimento de uma versão geneticamente modificada do bacilo. Naquela época, a linha de estudo de BCG recombinante ainda era bastante incipiente em todo o mundo. Além do Albert Einstein College of Medicine, em Nova Iorque, nos Estados Unidos, que tinha desenvolvido a técnica, haviam poucas instituições que se dedicavam ao desenvolvimento do método – uma delas era o próprio Instituto Pasteur, onde Luciana foi aceita e fez o estágio com bolsa de pós-doutorado.

“Minha experiência na França foi interessante e estressante. Eu brinco e digo que deu tudo errado, porque é quando as coisas não saem como queremos que aprendemos de fato”, pondera. A linha de estudo abordada na instituição francesa buscava o desenvolvimento de uma vacina de BCG recombinante contra o HIV e a tuberculose, o que é interessante uma vez que as pessoas soropositivas têm mais chances de desenvolver a doença. Na bancada, as dificuldades eram inúmeras: iam desde fazer o gene do BCG recombinante expressar uma proteína essencial para o sucesso da vacina, até trabalhar com uma molécula de HIV ainda não muito bem caracterizada. “Tentar todas aquelas alternativas envolvia muito trabalho. Aprendi a resolver inúmeros problemas, o que me deu muita experiência”, observa.

Mesmo fora do laboratório, os desafios continuavam. Vivendo em um país estrangeiro e comunicando-se em uma língua diferente da sua, Luciana precisou lidar com todos os percalços e incertezas que envolviam a criação de seu filho Tiago, que na época tinha apenas 2 anos e meio. “Eu queria muito aquela oportunidade e não ia deixar meu filho para trás.” A boa estrutura educacional e de saúde do país europeu também foram decisivas para que a pesquisadora optasse pela França. “Tive que fazer dar certo. Eu trabalhava e cuidava dele, que passava parte do dia muito bem assistido, em uma ótima escola. Hoje vejo que foi uma experiência excelente para nós dois”, diz.

LEIA TAMBÉM: Butantan: por que crianças, idosos e grávidas e têm prioridade na vacinação da gripe?

Comemorar cada conquista

Luciana lidera os estudos de uma vacina BCG recombinante e da Onco rBCG no Butantan – Foto: Renato Rodrigues/Comunicação Butantan

Após um ano na França, Luciana retornou ao Brasil com o título de pós-doutora e um novo projeto na bagagem: o desenvolvimento de uma vacina recombinante neonatal, que além da tuberculose, seria capaz de proteger contra a difteria, a coqueluche e o tétano ainda nas primeiras horas de vida do recém-nascido. O objetivo do produto era evitar a mortalidade em decorrência dessas doenças, visto que os bebês só ficam protegidos contra a difteria, a coqueluche e o tétano após a conclusão do esquema vacinal da pentavalente, aos seis meses de vida.

Foi nessa empreitada que Luciana iniciou uma parceria até hoje bem-sucedida com seu mentor, o professor italiano Rino Rappuoli. “O grupo de pesquisa dele gentilmente nos forneceu os genes ‘editados’ da coqueluche e da difteria.”

Mas a partir de 2014, quando as gestantes brasileiras começaram a receber doses de reforço das vacinas dupla adulto (difteria e tétano) e dTpa (difteria, tétano e coqueluche) – os anticorpos produzidos pela mãe passam para o bebê por meio da placenta e do leite –, o incentivo à vacina neonatal recombinante perdeu forças. Nesse meio tempo, a especialista do Butantan foi procurada por pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo que estavam em busca de alternativas para melhorar o tratamento do câncer de bexiga – desde a década de 1970, o BCG tradicional tem sido utilizado no combate à doença.

Luciana sugeriu ao grupo o uso da versão recombinante da molécula, que vinha apresentando uma ótima resposta imune celular nos testes de bancada. Desenvolvido com técnicas de engenharia genética, o bacilo de Calmette-Guèrrin é capaz de expressar uma proteína da toxina pertussis (cepa da coqueluche) também geneticamente detoxificada. Esse recurso funciona como um adjuvante que potencializa, com segurança, os efeitos da terapia com BCG contra o câncer. Testes conduzidos em modelos in vivo mostraram que a recombinante aumentou a sobrevida dos animais tratados, causando redução maior no tumor quando comparada ao BCG utilizado tradicionalmente – a terapia foi batizada de Onco rBCG e patenteada.

“Acabamos de apresentar os resultados preliminares de uma nova vacina contra a tuberculose em um evento da FAPESP [Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo] na China”, afirma Luciana. Mais potente, o imunizante é feito a partir da edição genética de uma bactéria de E. coli, também disponibilizada pelo grupo de pesquisa de Rappuoli. O microrganismo ajuda a potencializar a resposta do sistema imune contra a doença: enquanto o imunizante convencional reduziu em 90% a infecção nos experimentos feitos em modelos animais, com a BCG recombinante o índice de proteção subiu para 99%.

Curiosamente, Luciana conta quase ter desistido do projeto diante dos constantes resultados negativos. Isso porque, antes de partir para o uso da proteína de E.coli, o grupo trabalhava com uma cepa de coqueluche que simplesmente não apresentava os resultados desejados. “Fato é que na área de desenvolvimento de vacinas em 90% dos casos vamos nadar para morrer na praia. Mas eu sou persistente e otimista.” Como mulher na ciência, por muitas vezes ela também precisou “gritar” um pouquinho mais alto para ser ouvida e, assim, garantir suas conquistas.

Com mais de 140 artigos científicos publicados em revistas de renome e sete tecnologias com pedido de proteção – dentre 99 que o Butantan registrou até hoje –, a pesquisadora do Laboratório do Desenvolvimento de Vacinas diz ter aprendido a vibrar com cada pequena conquista. “No momento, temos diversos produtos seguindo em frente, mas não sabemos se eles vão funcionar na próxima etapa. É por isso que comemoramos cada desafio superado. É dessa forma que vamos.” E a receita para celebrar não costuma falhar: “Happy hour e caipirinha às sextas, não há quem mude isso!”

Siga o canal “Governo de São Paulo” no WhatsApp:
https://bit.ly/govspnozap

João Pessoa entrega 12 mil unidades habitacionais por ano, mas setor tem baixa em empregos

Condomínio Nice de Oliveira, no bairro do Paratibe, em João Pessoa — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco. Condomínio Nice de Oliveira, no bairro do Paratibe, em João Pessoa — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

Uma média de 12 mil unidades habitacionais são entregues por ano em João Pessoa, segundo dados do Sindicato da Indústria da Construção Civil de João Pessoa (Sinducon-JP). Porém, ainda conforme o sindicato, o atual desafio do setor é conquistar trabalhadores.

O número já se mantém por 10 anos e inclui obras mais simples, como apartamentos do Minha Casa Minha Vida, até condomínios de alto padrão.

Nos últimos dezoito meses, quase mil vagas para pedreiros e serventes foram abertas em João Pessoa, mas de acordo com a coordenadora adjunta do SINE João Pessoa, Jéssica Barros, as construtoras e quem atua na área têm tido muita dificuldade em encontrar cargos basilares, principalmente em obras.

LEIA TAMBÉM:

“Muitos apostam na qualificação, mas o que exige maior qualificação são cargos de nível superior ou técnicos que também precisam de ampla experiência. Essa oferta é menor, mas para pedreiro a única exigência é experiência e para servente essa exigência ainda consegue ser mais dispensada. Muitas empresas já começam a captar essa mão de obra sem experiência”, disse Jéssica.

Diversos fatores contribuem para a baixa adesão a esse tipo de emprego, desde o salário até a carga horária de trabalho.

A coordenadora do SINE explica que essas vagas ficam abertas há meses de forma perene, principalmente porque a compensação por este tipo de serviço ainda é baixa. “A lacuna desse tipo de profissional é inegável. Geralmente, eles recebem só o piso da categoria, que é um pouquinho mais que o salário mínimo. Então, o atrativo monetário para que esse jovem, geralmente quem entra como servente, tenha interesse em participar desse tipo de ocupação é baixo”, afirma.

A coordenadora do SINE avalia que os profissionais da construção qualificados têm escolhido a informalidade em busca de mais remuneração: “um bom pedreiro, por exemplo, consegue lucrar muito mais trabalhando de forma autônoma do que como CLT, com aquele salário fixo mensal”, pontua.

Já os mais jovens estão em busca de tempo de qualidade e a uberização do trabalho está começando a afastá-los dessas profissões. “O jovem tem a opção de ser Uber, o que lhe dá liberdade de horário e de fazer seu próprio roteiro do dia, além de fazer sua renda mensal. Então, são várias variáveis que, quando enxergamos esse panorama, identificamos falta de valorização e incentivo, e a escolha de não ter um trabalho tão fisicamente exigente”, finaliza a coordenadora do Sine.

Crescimento do setor

A construção civil é responsável por um terço do PIB da indústria paraibana. Ou seja, 33% do que a indústria produz na Paraíba, cabe, segundo o presidente do Sinducon-JP, à construção civil.

O mercado de trabalho explica esse aquecimento na economia, com meses sequenciais de saldo positivo nas vagas de emprego em 2024.

De acordo com a última pesquisa do Caged, no mês de março, o setor da construção civil esteve entre os principais com saldo positivo, elevando o mercado de trabalho de um modo geral com um saldo de 645 postos de trabalho.

“Dos 80 mil empregos da indústria paraibana, 50 mil é da construção civil. Um mercado rotativo e sempre ativo. Isso demonstra que um estado para se desenvolver, crescer economicamente, tem que fazer com que a indústria chegue no território”, explica o presidente do Sinduscon-JP, Wagner Breckenfeld.

Agência Minas Gerais | Governo prorroga Consulta Pública da Avaliação Ambiental Integrada da Bacia do Alto e Médio Rio Pomba

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) prorrogou por 10 dias corridos o prazo da primeira Consulta Pública da Avaliação Ambiental Integrada (AAI) da bacia do Alto e Médio Rio Pomba. A prorrogação do prazo, que agora vai até o dia 24/7, tem objetivo de ampliar a divulgação e participação social no processo da AAI.

Semad / Divulgação

A AAI tem como finalidade apoiar o planejamento, a gestão e o licenciamento ambiental de empreendimentos hidrelétricos em bacias do estado de Minas Gerais, por meio da avaliação dos impactos cumulativos e sinérgicos de empreendimentos hidrelétricos propostos em bacias hidrográficas prioritárias no estado.

A consulta pública auxiliará o órgão ambiental na seleção dos Componentes Ambientais e Sociais Selecionados (CASS), que são aqueles fatores mais relevantes na bacia e que serão impactados pelos efeitos cumulativos originários de um conjunto de aproveitamentos hidrelétricos existentes e previstos, devendo, portanto, serem identificados, caracterizados e analisados na AAI.

Os interessados em contribuir com o estudo poderão enviar sugestões, comentários e contribuições por meio do preenchimento de formulário disponível, até o dia 24/7/2024. O formulário da Consulta Pública está disponível, clicando aqui.

As informações sobre a abertura da Consulta Pública da AAI de empreendimentos hidrelétricos da bacia do Alto e Médio rio Pomba podem ser acessadas, clicando aqui.

Clique aqui para mais informações sobre o processo da AAI.

 

RESULTADO DO SORTEIO DIA DE SORTE 940 DE HOJE QUARTA (17/07)

Hoje, os entusiastas das Loterias da Caixa aguardam ansiosos pelos resultados de emocionantes sorteios.

Hoje, ENTRE OUTRAS LOTERIAS, a SORTE gira em torno do sorteio da DIA DE SORTE, uma loteria que conquistou o coração dos apostadores desde por conta do nome, até pela facilidade de jogar.

A Loteria Dia de Sorte da Caixa Econômica Federal é um jogo que combina sorteio de números e meses do ano. Lançada em 2018, oferece aos participantes a oportunidade de ganhar prêmios ao acertar de 4 a 7 números, além do Mês da Sorte. Com sorteios semanais, a Loteria Dia de Sorte adiciona um toque único ao cenário das apostas, proporcionando aos jogadores a emoção de associar números e datas especiais em busca da fortuna.

 

SORTEIO DIA DE SORTE 940

Aguarde

 

sorteio anterior

Resultado do sorteio de hoje em video

Canal da Caixa https://youtube.com/@canalcaixa?si=eTngt9wQZ_H2u4c3

Página de Resultados das Loterias da Caixa

Horários de Sorteio das Loterias da Caixa Econômica

As Loterias da Caixa Econômica Federal são fonte de expectativa e sonhos para milhões de brasileiros, e o momento crucial para muitos é o sorteio. Dentre elas, a Mega Sena é a mais popular, com sorteios realizados sempre às 20h, horário de Brasília. No entanto, este não é um evento isolado, pois outras loterias também têm seus dias e horários específicos.

A tabela abaixo apresenta de forma clara os dias da semana e os horários de sorteio de diversas loterias:

Horários de Sorteio das Loterias da Caixa Econômica

Loteria SEG TER QUA QUI SEX SÁB DOM
Mega Sena 20h 20h
Dupla Sena 20h 20h
Quina 20h 20h 20h 20h 20h 20h 20h
Lotomania 20h 20h
Lotofácil 20h 20h 20h
Loteca/Lotogol 12h
Loteria Federal 19h 19h
Timemania 20h 20h 20h
Dia de Sorte 20h 20h 20h

 

É importante ressaltar que todos os horários mencionados estão no fuso horário de Brasília. Para aqueles que buscam a sorte nas loterias, este guia serve como referência para estar atento aos dias específicos de cada sorteio.

Que a fortuna sorria para aqueles que ousam sonhar e participar desses emocionantes eventos de sorte!

 

Agência Minas Gerais | Governo de Minas inicia as obras de remediação de área contaminada em Descoberto

O Governo de Minas Gerais deu início às obras de remediação do solo contaminado por mercúrio na comunidade de Serra da Grama, no município de Descoberto, na Zona da Mata Mineira. As obras serão realizadas por meio da empresa de engenharia Engesolve, contratada pela Secretaria de Estado de Infraestrutura, Mobilidades e Parcerias de Minas Gerais (Seinfra) para execução dos serviços.

O local onde serão realizadas as intervenções passou por atividades de garimpo de ouro em meados do século XIX. Estudos contratados pela Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam) indicam sobre uma possível deposição de resíduo de mercúrio utilizado no processo de garimpo, que levaram à contaminação da área. A situação é acompanhada pelo órgão ambiental desde 2002.

O serviço contratado pela Seinfra será acompanhado pela Gerência de Áreas Contaminadas da Feam e envolve a remoção do solo contaminado localizado em uma propriedade particular na comunidade rural Serra da Grama, que será destinado ao aterro de resíduos perigosos na cidade de Juiz de Fora.

A área está inserida parcialmente em Área de Preservação Permanente (APP), situada em uma encosta às margens do córrego Rico, afluente do ribeirão da Grama, que será posteriormente revegetada com espécies nativas da região.

As intervenções realizadas até o momento foram a coleta de material para análise e cortes de árvores e a instalação do canteiro de obras. Está previsto para esta segunda-feira (15/7) o início da remoção do material contaminado.

Como ocorreu a contaminação

A contaminação é proveniente de antiga atividade de garimpo de ouro em depósitos de aluviões, ou seja, próximo aos cursos d’água, na qual se utilizava o mercúrio metálico para separação do ouro, processo denominado amalgamação. Estima-se que os resíduos desse processo foram dispostos em reservatórios de onde o mercúrio pode ter escoado para o solo por meio das canoas, local onde era feita a lavagem do mineral.

Em dezembro de 2002, durante a abertura de uma estrada para acesso em uma propriedade particular, foi observado pelos moradores locais o afloramento do mercúrio, na forma líquida, no solo exposto, sendo então acionados os órgãos competentes para desenvolvimento das ações necessárias.

Execução pelo Estado

Por se tratar de uma área órfã contaminada, ou seja, cujos responsáveis pela contaminação não são identificáveis ou individualizáveis, o Estado de Minas Gerais, por meio da Feam coordena, desde 2002, as ações para o gerenciamento ambiental da área.

A Seinfra, dada a experiência técnica e competência legal na realização de obras no estado, foi acionada de forma a prestar o apoio técnico na contratação e acompanhamento das ações de intervenção na área da Serra do Grama.

O Ministério Público do Estado de Minas Gerais acompanha o caso pela 2ª Promotoria de Justiça de São João Nepomuceno, com a abertura de uma Ação Civil Pública, sendo judicializado o tema. Nesse contexto, o Tribunal de Justiça determinou que o Estado de Minas Gerais realizasse a remediação no local.

Como a obra será realizada

O serviço contratado consiste na remoção do solo contaminado através de corte e aterro mecanizado.

O material coletado será transportado por meio de caminhões adaptados ao transporte de resíduos perigosos, que destinarão o solo até o aterro de resíduos perigosos localizado no município de Juiz de Fora.

Posteriormente, deverá ser feita a reconstituição da vegetação natural na APP, adotando o método de sucessão ecológica a ser implementado por reflorestamento, e fora da APP, através do plantio de gramíneas de rápido crescimento por meio da semeadura de capim braquiária, conforme Projeto Técnico de Recomposição da Flora (PTFR).

Tempo de duração

A obra será realizada em duas etapas. Na primeira, será procedida a remoção do solo contaminado e envio ao aterro de resíduos perigosos, com início nesta segunda-feira (15/7/) e término previsto para 16/9/2024.

Já na segunda etapa, serão realizadas as atividades de preenchimento da área com solo de empréstimo e reconstituição da vegetação natural, com prazo de término em 31/10/2024.

Monitoramento

Estão previstas campanhas de monitoramento de água e sedimento antes e após a escavação, para verificar possíveis alterações em virtude das obras. Para tanto, estão previstos pontos de amostragem no Córrego do Rico e Ribeirão da Grama. Também estão previstos monitoramentos do solo no fundo da cava do material removido para certificar que todo o solo contaminado foi removido.

Para outras dúvidas frequentes e informações de contato, acesse o link.